Inteligência emocional (QE) – Competências 3, 4 e 5

Posted by Ricardo Mendes Comentários desativados em Inteligência emocional (QE) – Competências 3, 4 e 5

Inteligência Emocional

Continuando o artigo anterior…

A inteligência emocional (QE) competência 3: Comunicação não verbal

Ser um bom comunicador exige mais do que apenas a habilidade verbal e a capacidade de gerir o estresse. Muitas vezes, o que você diz é menos importante do que como você diz, isso acontece por causa dos sinais não verbais que você envia por meio dos gestos que você faz, a maneira como você se sente, o quão rápido ou quão alto você fala, o quão perto você está, ou o quanto de contato visual você estabelece. Para prender a atenção dos outros e construir conexão e confiança, você precisa estar ciente da sua linguagem corporal. Você também precisa ser capaz de ler e responder com precisão aos sinais não verbais que as outras pessoas lhe enviam.

Estas mensagens não param quando alguém para de falar. Mesmo quando você está em silêncio, você ainda está se comunicando não verbalmente. Pense sobre o que você está transmitindo e se o que você diz corresponde ao que você sente. Se você insiste, “Eu estou bem”, enquanto força os dentes e olha para longe, seu corpo está claramente sinalizando o oposto. Suas mensagens não verbais podem produzir uma sensação de interesse, confiança, entusiasmo e desejo de conexão ou podem gerar medo, confusão, desconfiança e desinteresse.

Dicas para melhorar a comunicação não verbal

Comunicação não verbal de sucesso depende de sua capacidade de gerenciar o estresse, reconhecer as suas próprias emoções e entender os sinais que você está enviando e recebendo.

Ao se comunicar:

  • Concentre-se na outra pessoa. Se você ficar planejando o que você vai dizer em seguida, sonhando acordado, ou pensando em outra coisa, você provavelmente irá perder sinais não verbais e outras sutilezas na conversa.
  • Faça contato visual. Contato visual comunica interesse, mantem o fluxo de uma conversa e ajudar a avaliar a resposta da outra pessoa.
  • Preste atenção nos sinais não verbais que você está enviando e recebendo, como: a expressão facial, tom de voz, postura e gestos, toque e o momento e o ritmo da conversa.

A inteligência emocional (QE) competência 4: Use humor para lidar com os desafios

Humor, riso e brincadeira são antídotos naturais para as dificuldades da vida, pois eles aliviam seus fardos e o ajudam a manter as coisas em perspectiva. Uma boa gargalhada reduz o estresse, eleva o humor e traz o seu sistema nervoso de volta ao equilíbrio.

Comunicação bem humorada amplia sua inteligência emocional e ajuda você a:

  • Transpor dificuldades. Ao permitir ver as suas frustrações e decepções sob novas perspectivas, risos e brincadeiras ajudam você a sobreviver em meio a aborrecimentos, tempos difíceis e retrocessos.
  • Suavizar diferenças. Usar o humor suave, muitas vezes ajuda você a dizer coisas que podem ser difíceis de expressar de outra maneira.
  • Simultaneamente, relaxar e energizar-se. Comunicação bem humorada alivia a fadiga e relaxa o corpo, o que lhe permite recarregar e realizar mais.
  • Tornar-se mais criativo. Se soltar e se libertar de formas rígidas de pensar e de ser, favorece o aumento da criatividade e permite visualizar as coisas de novas maneiras.

Como desenvolver uma comunicação lúdica:

Nunca é tarde demais para se desenvolver e abraçar seu lado bem-humorado e brincalhão.

Tente separar um tempo para se divertir. Quanto mais você brinca e ri, mais fácil de ser feito isso se torna.

Encontre atividades agradáveis ​​que o ajudem a se soltar e abraçar a sua natureza lúdica.

Pratique, brincando com animais, bebês, crianças pequenas e pessoas que apreciam brincadeiras lúdicas.

A inteligência emocional (QE) competência 5: Resolver conflitos de forma positiva

Conflitos e divergências são inevitáveis ​​em relacionamentos. Duas pessoas não podem ter as mesmas necessidades, opiniões e expectativas em todos os momentos. No entanto, isso não precisa ser uma coisa ruim. Resolver conflitos de maneira saudável e construtiva pode reforçar a confiança entre as pessoas. Quando o conflito não é percebido como ameaçador ou punitivo, promove a liberdade, criatividade e segurança nos relacionamentos.

A capacidade de gerenciar conflitos de uma maneira positiva e confiável é facilitada pela prática das quatro competências anteriores. Uma vez que você sabe como gerenciar o estresse, ficar emocionalmente presente e consciente, comunicar verbal e não verbalmente e usar o humor, você estará melhor equipado para lidar com situações difíceis e desarmar muitos problemas antes que eles aumentem.

Dicas para a resolução de conflitos de uma maneira construtora de confiança:

  • Mantenha-se focado no presente. Quando você não está guardando as velhas mágoas e ressentimentos, você pode reconhecer a realidade de uma situação atual e vê-la como uma nova oportunidade para a resolução de antigos conflitos.
  • Escolha seus argumentos. Argumentos tomam tempo e energia. Analise o que vale a pena discutir e que não vale.
  • Perdoe. Comportamento ofensivo de outras pessoas está no passado. Para resolver o conflito, você deve perdoar o que a outra pessoa lhe fez.
  • Acabar com conflitos que não podem ser resolvidos. Eles levam duas pessoas a manterem uma discussão sem fim. Você pode escolher acabar com um conflito, mesmo que você continue a discordar.

Publicado por: Ricardo Mendes
www.gestaoporcompetencias.com.br

Artigos Relacionados:


Categoria: Artigos

Comments are closed.

  • RSS
  • Delicious
  • Digg
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Youtube

Sponsors

  • Sebrae SP
  • Ciesp
  • Gestão por Competências
  • Gestão por Competências

Popular Posts

O que é Gestão por

Para definir o que é Gestão por Competências é necessário ...

Entrevista Comportam

A entrevista é uma ferramenta de muita credibilidade em todo ...

Jogos para Seleção

O jogo utilizado em seleção é popularmente conhecido como “Dinâmica ...

Os desafios enfrenta

Introdução Com o advento e evolução da tecnologia, dos ...

Jogo dos Elos

Objetivo: Trabalho em equipe com ênfase na participação, integração e comprometimento ...